2 de outubro de 2013

Era só um cachorro...

Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu começo o post me lembrando de um texto que li no Blog da Lia, que falava sobre algo relacionado ao tipo de post que ela gosta de fazer, já faz um bom tempo isso, mas eu ainda lembro, nele, ela dizia que só posta as coisas positivas, porque ela não quer preocupar as pessoas ou deixá-las tristes, ela posta para acrescentar coisas boas na vida das leitoras que a acompanha e que gosta do trabalho dela.

Porque eu estou começando o texto assim?

Porque eu sigo a mesma reza que ela, mas hoje, hoje não...

Sexta-feira, 27 de setembro, dia de exposição cultural na escolinha do meu sobrinho postiço, filho de uma das minhas melhores amigas. depois da apresentação íamos a uma perfumaria comprar um creme para pentear pois o meu já havia acabado, mas acabei não indo, porque o que aconteceu pelo caminho me fez voltar para casa perplexa e aos prantos.

Estava me aproximando de mais uma rua para atravessar quando cruzou meu caminho um cão da raça Bull Terrier, branco, um pouco sujo, sem coleira e farejando algo no chão, segui meu caminho comentando  com minha amiga sobre a raça do cachorro e o quanto eu achava essa raça linda, ao mesmo tempo que olhava o caminho dele, em questão de segundos me passa um ônibus e atropela o pobre do cachorro, foi a coisa mais triste que eu já vi "pessoalmente" na minha vida, ele grunhiu no momento que o ônibus passou por ele, entre o tronco e a cabeça dele, depois foi um total silêncio do cão, mas não sem sofrimento pois ele não morreu na hora, ele sofreu, convulsionou, agonizou no meio da rua, com pessoas com os mesmos olhares que o meu, mas não com as minhas lágrimas, vendo  aquilo sem poder fazer nada, agora vocês acham que o motorista parou para pelo menos ver a merda que tinha feito? Seguiu com o ônibus, afinal, era só um cachorro...

Devido ao choque, o rabo dele não parava de balançar, só parou quando deu seu ultimo suspiro e  eu comigo só pedindo pra São Francisco de Assis ( Padroeiro Protetor dos Animais) , olhar por aquele cãozinho, que por má sorte deve ter se perdido do dono, ou esse ter sido um daqueles que acha bonitinho quando filhote, daí quando cresce não aguenta e não tem capacidade de cuidar e dar o ambiente ideal para que cachorro cresça e viva de forma saudável, satisfatória e feliz, esquecem que cachorro possui as mesmas necessidades básicas de um ser humano como a de ir ao "banheiro", água, comida, daí como é só um cachorro, descarta como se fosse um tênis velho....

Eu não sei o que é uma casa sem cachorro, sempre tive, e é uma bênção, uma alegria sem tamanho, então eu não consigo conceber na minha cabeça cometer esse tipo de abandono, não pode criar, não pegue, é melhor do iludir a lealdade que o cachorro cria em relação a você pra ser traído por quem ele tem um amor incondicional e inevitável...

Nossa, Palluh, esse escarcéu todo é por causa de um cachorro?

Sim, por causa de uma cachorro, não acho menos merecedor do meu carinho e da minha compaixão só pelo fato dele ser um cão, acho até mais merecedor que muito seres que se julgam racionais, porque gente ainda consegue ir a luta, pedir ajuda, abrigo, trabalhar, falar do que precisa, dizer o que sente, bicho não...

Já parou pra pensar que o ser humano é o único animal capaz de matar alguém da própria espécie por coisas como inveja, egoísmo, ganância? E se não bastasse com a própria espécie, fazem isso com os que eles julgam irracionais.

Irracionais, somos nós...
Que ainda não entendemos a essência simples dos animais...

E antes que digam que esse desabafo só foi por ser um cão de raça, engano redondamente seu, poderia ser um vira-lata, que meu sentimento seria no mesmo grau e importância...

E peço desculpas pelos detalhes, mas eu precisava desabafar, talvez tentar tirar a cena da minha cabeça e transferir pra cá, entende?

É isso...

Sem Beijo Hoje.

26 de setembro de 2013

Todo Mundo Quer Blogar

Olá pessoas, tudo bem com vocês?

Hoje eu vim trazer um texto de um outro blog meu que desativei, mas que achei pertinente "puxá-lo"  para cá, nele mostro a minha opinião a respeito desse "boom" dos blogs, principalmente os femininos, com dados adicionais, porque eu quis...
 
Apesar desse meu blog ser novo, acompanho esse mundo da blogsfera já faz uns 12 anos.
Desde a época que Borboletando ainda era Solikearose, e que a Lia do Justlia ainda era assalariada...

Enfim, desde a  época que blogar ainda não havia dado a oportunidade de se tornar uma profissão e como consequência uma forma de ganhar dinheiro e sonho de consumo de várias meninas.

Meu primeiro blog se chamava "Toca da Coruja" e era hospedado numa plataforma que nem existe mais (Big Blogger), depois tive outros no Blig, Weblogger, Blogger Br, e acho que no uol também, mas tive que parar em todos eles por que meu PC na época quebrou e eu demorei uma vida para ter outro, pois na época eu não trabalhava, só estudava, e meus pais não tinham condições de me dar um novo de imediato.

Lembro como se fosse hoje a primeira vez que entrei em contato com uma ferramenta de blog que na época era o Blogger Br, quando o mesmo ainda era grátis, eu tinha onze anos, estava indo acessar a net em um *telecentro aqui perto de casa e não sei como, não lembro como, fui cair no site do blogger br e tentei me cadastrar, mas com medo, sim M E D O, não criei meu primeiro blog.

Olha meu raciocínio:

"E se eu falar de alguém e esse alguém descobrir, e se descobrem onde eu moro, e se eu for presa, e se, e se...kkkkkkkkkkkkkkkk...que vergonha...."

Acabei criando  meu primeiro blog só uns 2 anos depois. Blogar naquela época era algo realmente parecido com diário, com histórias do nosso dia a dia, sentimentos, descobertas, coisas que eu pouco encontro em vários blogs que visito, e quando encontro são os que mais me dão vontade de comentar.

Visualmente falando os blogs não eram tão sofisticados quanto são hoje, na maioria das vezes os templates  eram feitos pelo próprios blogueiros, que aprendiam a mexer nos códigos com tutoriais que encontravam espalhados pela web, e nessa brincadeira muitos acabaram caindo na profissão de webdesigner, webmasters e afins, a  Lia do Justlia, Evelyn do É do Babado e a Victoria do Borboletando, são exemplos dessa safra de blogueiras que faziam isso por hobby e a vida acabou transformando esse hobby em profissão, todas são formadas em algo relacionado a internet e/ou comunicação. Minhas divas...

E foi nessa fase que eu me apaixonei por designer gráfico também, cheguei a cursar faculdade e tudo mais, mas isso é assunto para outro post.

Hoje com essa explosão de "blog agora dá dinheiro" você encontra conteúdo para todos os gostos e estilos, alguns falam da mesma coisa, mas de modos diferentes, peculiar a cada autor, cabendo a você meu caro leitor eleger e ler aquele que mais lhe agrade ou não *-* your choice, my darling.

Mas a consequência desse "blog agora dá dinheiro", é que vemos muita quantidade e pouca qualidade, e as vezes na maioria, pouco coração.

Não vou ser hipócrita de dizer que eu me negaria a ganhar algumas Dilmas por conta do meu blog, mas também não vou sair mendigando visitas, nem comentários para que isso aconteça. se for, que seja pela qualidade e não pela quantidade de posts que seguem o fluxo do que está bombando.

Eu por exemplo sou uma chata para comentar, tem blogs que eu acompanho a anos e que quase não comento porque o post não  tocou meu coração  me empolgou o suficiente para ir lá jogar uns caracteres na sessão de comentários do post, outra coisa é que por mais que eu ache o post super legal, se eu não tenho nada além disso para dizer, eu simplesmente não digo, deixo pra próxima, me surpreenda.

Se tem uma coisa que eu não gosto, isso porque não acontece com o meu graças a Deus, é ver nos blogs que eu visito um monte de comentários que de texto só tem: " oi, visitem meu blog http://souchatabagarai.blogbosta.com.br", isso eu acho muito feio, a única impressão que você dá é que está utilizando o espaço do blog alheio para divulgar o seu  D E S C A R A D A M E N T E, claro que você pode divulgar, como você vai ter leitores? Mas tenha a educação de ler o post, e antes de cuspir seu link, fale um pouco a respeito do que achou do texto, se você  se identificou e se você achar que vale a pena, põe o link depois do comentário, simples, sem ressentimento e sem vácuo, se é que vocês me entendem.
Acredito que blogar é uma grande válvula de escape sabe?
Onde podemos  falar daquilo que nos fazem bem, daquilo que nos chateia, mostrar do que gostamos, compartilhar conhecimentos (saudades infinitas da aba goodies), ideias, sei lá, extravasar o que as vezes extravasamos somente em nossas mentes, é se divertir, é não esquecer que em cada post vai um pedacinho de você também, mesmo que seja um post só com imagens, ou com textos imensos, de qualquer forma você estará se expondo, uma parte boa ou ruim de você, sua personalidade e para tudo isso há de ser feito com bom senso.E é isso.
  
Beijos e até o próximo post.
   
       
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...